Grupo de AP - Escola Secundária de Pombal, 12º B, ano lectivo 2009/2010 - enfrenta com bravura artigos sobre neurociência, empresas de brain fitness, teorias de auto-ajuda e a preguiça para descobrir como pôr os seus neurónios a cintilar.

.tags

. todas as tags

.posts recentes

. Créditos Finais

. Desenhos de Santiago Ramó...

. O Caminho para a Memória ...

. Balanço do Dia da Ginásti...

. ...

. Brain Awareness Week

. ...

. O Cérebro na Cultura

. Deram-nos Um Dia!

. Brain Fitness: Whatahell?

.arquivos

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

Terça-feira, 16 de Fevereiro de 2010

Sobre Como os Antigos Eram Parvos

Quem seguiu o nosso blog antes do reinício, lembrar-se-á dos nossos posts sobre os primeiros passinhos da neurociência. Mais não seja porque foi das poucas coisas que cá pusemos.

Os primórdios da neurociência foram bastante… suis generis, digamos, e é no espírito carnavalesco que eu vou recuperar esses textos dos nossos tempos mais indecisos.

 

Parte 1: Trepanações e outras ofensas ao cérebro

As trepanações (buracos na cabeça) são um dos maiores mistérios da antropologia. O crânio trepanado mais antigo que foi encontrado tem 7000 anos, mas a loucura da trepanação foi durante o Eneolítico (2400-1700 a.C.), em que não havia coisa mais chique, e era mais usado entre os homens. Devia ser mesmo muito chique, uma vez que por certo era realizada sem anestesia. Estas cirurgias improvisadas continuaram até à Idade Média (época em que a taxa de sobrevivência era muito menor; caso para dizer que os medievais eram piores que trogloditas) e, tãrã!, até à actualidade. Bart Huges defendeu acerrimamente que uns buraquinhos na cabeça só faziam bem ao espírito: supostamente, a trepanação reduz a pressão sanguínea no cérebro, provocando uma melhor oxigenação do cérebro, o que faz disparar a nossa inteligência, curar as nossas depressões - e só não dá milhões porque, enfim, deve ter sentido que para esse propósito haviam as lotarias. Bart Huges escreveu uma bonita obra, com um título destinado a um best-seller, Homo Sapiens Correctus; o livro acabaria por inspirar um site que ganhou a honrosa classificação de um dos mais estranhos sites de toda a Internet. Ser das coisas mais estranhas da Internet não é coisa de pouca monta.

Para que serviam as trepanações? Afastar espíritos malignos? Um passo interessante em rituais mágico-religiosos? Intervenções de emergência quando uma seta se desviava para o sítio errado?

Mais, quem diz que os nossos caros antepassados não estavam a tentar fazer uma neurocirurgia? Bem, os cientistas dizem. A cabeça sempre foi ignorada como centro do corpo humano, e a relação entre lesões cerebrais e perda de capacidades como a visão e a fala era muito pouco óbvia às civilizações antigas. No Egipto, para além das indignidades que o cérebro aquando a sua extracção das futuras múmias, era facto aceite que era o coração que pensava. Qual o argumento que sustentava esta belíssima tese? O coração bate mais depressa quando estamos aborrecidos ou excitados. Soa bem, ahm? Entretanto, esta perfeita idiotice também era defendida pelos Gregos: Aristóteles, não lhe bastando meter o nariz na filosofia, na matemática e na política, também quis ter a sua opinião na neurociência. Esta brilhante mente concluiu que o cérebro era um simples e evidente sistema de refrigeração do sangue. Assim, quando nos constipamos, o nosso sistema de refrigeração transborda e o nosso nariz pinga. [O nosso grupo deliberou e considerou que esta teoria era definitivamente um insulto ao cérebro, pelo que decidimos propor a este senhor que não volte a intervir na biologia, pois não é o seu forte.]

Foi então (na verdade, não; ele viveu antes de Aristóteles, mas referir esse facto estraga a coesão narrativa desta história e, como tal, ignoremos este detalhe), que um médico grego de nome Alcmeno de Cróton percebeu finalmente o papel desempenhado pelo cérebro, tendo, no meio da sua rotina diária de dissecar cadáveres, reparado na ligação existente entre os nervos dos globos oculares e o cérebro. Também teve a presença de espírito de notar que pessoas com lesões no cérebro não batiam bem da cabeça - maravilhosa expressão esta que esteve vedada aos egípcios e gregos (talvez dissessem "não bates bem do coração". O que também era uma belíssima frase para, sei lá, vender a uma novela. TVI, chega-te à frente.)

Ilustrações fofinhas de trepanações, para quem gosta de imagens antigas (e outras bizarrias): (1), (2), (3), (4), (5), (6),

 

Parte 2: Frenologia, ou as maravilhas da pseudo-ciência vitoriana

Algures na Alemanha do séc. XVIII, consta que um rapazinho chamado Franz Joseph Gall começou a interessar-se por um colega de olhos bojudos. Não era um caso de homossexualidade combinada com um fetiche estranho, o que teria sido, cremos, muito pouco bem-visto à época. O interesse de Gall era científico. Não tardou a apresentar a teoria de que as pessoas bojudas eram melhores na leitura (coisa que ele observou; não deve ter sido um estudo muito rigoroso, mas estávamos no séc. XVIII. Quando se tratava do cérebro, qualquer opinião ou teoria passava) porque a parte que estava por trás dos olhos era mais desenvolvida; logo, essa era a parte do cérebro responsável pela leitura. Gall passou o resto da sua vida a examinar crânios de criminosos executados, tentando descobrir que protuberâncias codificavam comportamentos violentos. Supomos que tenha sido muito feliz.

A frenologia foi muito apreciada durante a época vitoriana, e uma útil ajuda nas árduas tarefas de escolher empregados e marido.

A frenologia foi completamente desmitificada, desmontada, arrasada, e às suas ruínas, depois de calcar mais um bocado, foi posta a etiqueta de pseudo-ciência. A forma do crânio parece não ter relação com a forma como se porta, e o cérebro não se pode dividir em orgãos para, por exemplo, a auto-estima, a firmeza, a veneração, a amizade, o tempo, a idealização, a esperança e a destruição (esta era mesmo por cima da orelha). No entanto, há que lhe reconhecer o mérito de ter introduzido a noção de localização de funções cerebrais, ideia cientificamente aceite, mas vista de uma forma muito mais complexa e menos linear que bonitas divisões arbitrárias. Para mais, temos apanhado em muita pesquisa a ideia que quanto maior for a área cerebral, mais desenvolvida é, a par de observações da circulação sanguínea (que indicam quais são as áreas que consumem mais energia, e portanto mais usadas). Se esta relação tamanho/desenvolvimento é verdadeira ou não, não podemos ajuizar. O certo é que a frenologia é muito, muito gira, e ligada a muita gentinha doida.

 

Mais imagens bonitas: (1), (2), (3)

Frenologia aplicada a personagens:

 

HermioneNaruto

 

 

publicado por Os Neurónios às 10:51
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Feed deste blog

.Sites Úteis

Sharp Brains(inglês)
Lumosity (inglês)
Sporcle (inglês)
Science Daily: Mind&Brain News (inglês)
Dana Foundation (inglês)
Ciência Viva

.Companheiros de Infortúnio

Green Project
SciArt (à espera de inauguração)
A Memória
Entre Hemisférios
FAZciência